Valério diz que correr risco de morrer na prisão após acordo de delação

A defesa do operador do Mensalão Marcos Valério, um dos condenados no julgamento do mensalão, enviou um documento ao Supremo Tribunal Federal (STF) informando que o acordo de delação premiada em negociação com o Ministério Público Federal (MPF) está sob risco caso ele continue detido no presídio Nelson Hungria, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. A defesa diz que os agentes penitenciários folheiam os documentos que estão sendo escritos por Valério e que deveriam ser sigilosos, levando ao risco de vazamentos.
Alega ainda que a segurança dele no local está comprometida, uma vez que há no presídio detentos que são do convívio de pessoas que serão delatadas. Os 78 anexos da delação já escritos até o momento incriminam políticos e empresários de destaque.
foto marcos valerio 5 Valério diz que correr risco de morrer na prisão após acordo de delação
Marcos Valério em depoimento a Lava Jato
Valério que foi operador do mensalão, um esquema de desvio de dinheiro público e compra de apoio parlamentar durante o primeiro mandato do ex-presidente Lula também depôs em setembro deste ano nas investigações da Operação Lava-Jato, que apura principalmente corrupção em contratos da Petrobras. Condenado a 37 anos e cinco meses de prisão, ele pegou a maior pena imposta aos réus do mensalão, começando a cumpri-la em novembro de 2013.
No documento enviado ao STF em 14 de dezembro de 2016, o advogado Jean Robert Kobayashi Júnior pede que seu cliente seja transferido para uma unidade prisional em Santa Luzia, também na Região Metropolitana da capital mineira.
“O sentenciado (Valério) está escrevendo sua delação dentro da cela e por se tratar de um presídio de segurança máxima, diurnamente os agentes penitenciários vão nos (sic) pavilhões e dão geral em todas as celas e inclusive a do senhor Marcos Valério. Em relação à conduta dos agentes em inspecionar as celas não há problema nenhum, o problema é que os agentes quando vão à cela do requerente começam a foliar (sic) os cadernos onde estão sendo escritos anexos da delação com informações altamente sigilosas”, diz trecho do documento, apontando o risco de vazamento.
Ainda segundo a defesa, o risco à segurança e até mesmo à vida de Valério é agravado pelo déficit de agente penitenciários. O advogado diz que isso levou o caos ao presídio Nelson Hungria.
A defesa também aponta que os 78 anexos já prontos são “enriquecidos com farta documentação probatória comprovando o que foi escrito”, mas falta escrever outro