Após escravidão, tucanos pede para Luislinda silenciar se quiser ficar no cargo

O governo empurrou para o PSDB a decisão de manter ou não a ministra Luislinda Valois no cargo depois de ela ter protocolado documento no qual diz que faz trabalho escravo por não receber R$ 61 mil, soma de sua remuneração como ministra e aposentadoria como desembargadora, e pedir para furar o teto constitucional.
A ministra foi avisada por seus interlocutores no Partido da Social Democracia Brasileira, que fica se não falar mais no assunto. Ela foi indicada para o cargo pelo senador Aécio Neves (MG), de quem é admiradora, e é próxima do ministro Antonio Imbassahy, também baiano.

 



A insatisfação da ministra Luislinda com o seu contracheque já era conhecida pelos seus funcionários. Ela ameaçou demitir o servidor que a avisou que teria o salário glosado em R$ 27 mil devido a regra do abate-teto.
Conforme revelou a Coluna do site Estadão, por causa da lei a ministra só tem direito a receber por esse trabalho R$ 3.292 bruto.
“A Luislinda foi um dos únicos assuntos que unificaram os membros do PSDB. A bancada gostaria que ela reconhecesse o grave equívoco pedindo desculpas”,  resumiu o DEPUTADO BETINHO GOMES (PSDB-PE), sobre o pedido da ministra para receber salário acima do teto.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

SiteLock