Segovia troca comando das investigações porto de Santos

A direção da Polícia Federal vai trocar o comando da delegacia de Santos no momento em que se desenvolve uma investigação sobre contratos referentes ao porto da cidade.
Nos últimos dias houve telefonemas entre diretores para tratar da substituição de Júlio César Baida Filho do cargo de delegado-chefe da PF santista.



Segundo a Folha de S. Paulo, Baida Filho recebeu uma ligação do diretor-executivo da Superintendência da PF de São Paulo, Lindinalvo Alexandrino de Almeida Filho, número dois na hierarquia paulista, informando que ele seria substituído do posto. Baida Filho está de férias nos EUA.
Na conversa, Baida Filho soube que a troca é uma decisão do diretor-geral, Fernando Segovia e que o indicado para substituí-lo seria o delegado José Roberto Sagrado Da Hora.
Chegou à cúpula da PF que havia resistência de investigadores quanto ao nome de Da Hora. Lindinalvo, então, ligou novamente para Baida Filho para dizer que a a substituição seria mantida, mas o o sucessor não seria mais Da Hora. Outro nome ainda está sendo analisado.
Na quarta (20) Baida Filho foi convidado para chefiar a força-tarefa criada para reforçar o combate ao tráfico de drogas e armas no Rio. Diante da saída irreversível da chefia de Santos, ele aceitou.




A substituição acontece após uma reunião com cerca de dez investigadores na sede da Polícia Federal, na cidade, ocorrida há três semanas. No encontro havia, além de delegados, auditores da Controladoria Geral da União, do Tribunal de Contas da União e de outros órgãos de fiscalização de contas. Irregularidades em contratos no porto de Santos foram o assunto do encontro.
O porto é área tradicional de influência do presidente Michel Temer. Ele é investigado pelo suposto favorecimento da operadora de terminais Rodrimar, por meio da edição do Decreto dos Portos. Em troca, haveria o pagamento de propina. O negócio teria sido intermediado pelo ex-assessor da presidência, Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), filmado com uma mala com R$ 500 mil de propina da JBS.
O delegado Júlio César Baida Filho disse que não irá se manifestar sobre o caso até voltar de férias.
O diretor Lindinalvo de Almeida Filho disse que “ainda nada há de efetivo no que pertine a este assunto”.
A assessoria da PF em São Paulo disse, em nota, que não há notícia concreta de alterações, mas é natural que elas ocorram com a posse de um novo diretor-geral. “Não há alterações de chefias relacionadas ao mérito de quaisquer investigações.”(por Wálter Nunes/Folha de S.Paulo)



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *