Renan dispara contra MP ‘eles perderam a condição de fiscalizar a lei’

“O Ministério Público (MP) infelizmente passou a fazer política. Quando faz política perde a condição de ser o fiscal da lei. O procurador-geral da República colocou na força-tarefa [da Lava Jato] três destacados juristas, rejeitados pelo Senado para o Conselho Nacional do Ministério Público e Conselho Nacional de Justiça. Isso já demonstra o que ele pretende fazer com o Senado”, afirmou Renan.
“De modo que as conduções coercitivas, as buscas e apreensões, o pedido de prisão, a prisão da Polícia [Legislativa], a usurpação de competência, tudo é decorrente do procurador-geral da República ter colocado como membros da força-tarefa três pessoas rejeitadas pelo Senado”, completou.
Renan chegou a mencionar os nomes dos procuradores Nicolao Dino, Vladimir Aras e Sérgio Saraiva.
No entanto, nenhum dos três integra a força-tarefa da Lava Jato. O senador ainda confundiu o nome do procurador Saraiva é Wellington, e não Sergio.
Wellington Saraiva é coordenador da assessoria constitucional da PGR. Cuida de temas relacionados a ações constitucionais. Vladimir Aras é o secretário de cooperação jurídica internacional da PGR. Ele atua nos casos de cooperação internacional, como troca de documentos ao exterior. E Nicolao Dino é vice-procurador-geral-eleitoral, área relacionada a temas eleitorais.
O presidente do Senado afirmou ainda: “As políticas do Ministério Público (MP) são de vingança porque o Senado rejeitou esse três nomes”.
Renan e o deputado Aníbal Gomes (PMDB-CE) foram denunciados, nesta segunda (12), pelo procurador-geral, Rodrigo Janot, ao STF (Supremo Tribunal Federal) sob acusação de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Janot também pediu a perda de mandato dos parlamentares.
Embora Renan, seja investigado em outros sete inquéritos na Lava Jato, essa é a primeira vez, que ele é denunciado na operação.
ABUSO DE AUTORIDADE
O nome de Renan foi citado na delação de Cláudio Melo Filho, ex-executivo da Odebrecht, revelada na última sexta (9).. Ele foi acusado de interceder em favor da empresa na aprovação de propostas e receber valores em troca.
O senador negou, em nota, as acusações. Nesta terça, afirmou que “tem delações e delações”. “Ter nome citado porque alguém interpretou que alguém falaria em seu nome, isso é um absurdo, só serve para alimentar um noticiário e permitir um pré-julgamento das pessoas”.
Na semana passada, após dias de incertezas para Renan sobre sua permanência no comando do Senado, ele foi aconselhado por aliados próximos a esquecer a votação da proposta que endurece a punição para abuso de autoridade.
Nesta terça, contudo, o presidente do Senado, ao ser questionado, deu a entender que pode retomar as discussões sobre o assunto.
O peemedebista tem usado o tema como uma “toma lá, dá cá” contra o Judiciário, interpretam aliados do senador. Após a denúncia, peemedebistas ouvidos pela Folha não duvidam de que ele possa voltar a “agir com o fígado” e retomar a intenção de votar a matéria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *