Planalto busca saber quem da Polícia Federal orientou Calero a gravar o presidente

O ministro da Justiça Alexandre de Moraes se negou nesta segunda-feira a comentar o fato de o ex-ministro Marcelo Calero ter dito em entrevista ao Fantástico que foi orientado por “amigos da Polícia Federal” a fazer gravações que respaldassem suas acusações contra o presidente Michel Temer, o ministro Eliseu Padilha (Casa Civil) e o ex-ministro Geddel Vieira Lima. Mas o Palácio do Planalto estranhou a afirmação do ex-ministro e busca identificar quem da Polícia Federal orientou Calero.
“O que eu fiz, até por sugestão de alguns amigos que tenho na Policia Federal, nos momentos finais, para me proteger e para dar o mínimo de lastro probatório sobre aquilo que eu relatei no meu depoimento, eu fiz algumas gravações telefônicas, ou seja, de pessoas que me ligavam”, disse o ex-ministro.
Calero afirmou que entre essas gravações há uma conversa dele com o presidente da República, Michel Temer, por telefone. “É uma gravação absolutamente burocrática, inclusive eu fiz questão que essa conversa fosse muito protocolar. Tive a preocupação de não induzir o presidente a entrar em qualquer tema para não criar prova contra si”, complementou.
Calero acusou a cúpula do governo de pressioná-lo para interferir numa decisão do Iphan nacional que embargou a construção de um prédio em Salvador onde ex-ministro Geddel comprou um imóvel na planta. Temer, Padilha e Geddel sustentam que solicitaram apenas que o caso fosse remetido do Iphan nacional para análise da Advocacia-Geral da União (AGU).
Para liderança no Congresso ação do ex-ministro Calero em gravar o presidente da Republica caracteriza crime gravíssimo e o envolvimento de um agente da Policia Federal é algo mais grave ainda, é preciso criar uma comissão para investigar  a fundo este caso. afirmou um senador do PMDB
O presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG) e Líderes partidários cobrou investigação do caso envolvendo o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero   por ter gravado conversa com o presidente Michel Temer.”Há algo aí de extremamente grave e que também tem que ser investigado, o fato de um servidor público, um homem da confiança do presidente da República, com cargo de ministro de Estado, se confirmado isso, entrar com um gravador para gravar o presidente. Isso é inaceitável, é inédito na história do Brasil” disse Aécio.
O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e Presidente Tribunal Superior Eleitoral, Gilmar Mendes mostrou-se preocupado pelo fato de um servidor  do Itamaraty esta envolvido em episodio de gravar o presidente da Republico “De fato se isso ocorreu é um fato que vai para o Guinness, alguma coisa realmente inusitada e claro absolutamente despropositada. Um profissional, do ministério, do Itamaraty, tenha este tipo de conduta suscita realmente bastante preocupação”, disse Mendes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *