Ministro do TSE ‘Admar’ é acusado de agredir a mulher

Elida Souza Matos, mulher do ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Admar Gonzaga, registrou nesta sexta-feira, 23, em Brasília um boletim de ocorrência na 1.ª Delegacia de Polícia contra o marido, por violência doméstica. Exibindo um ferimento no olho, ela relatou ter sido agredida física e verbalmente por Admar. Elida realizou um exame de corpo de delito. Horas depois, no entanto, ao voltar para casa, ela decidiu fazer uma retratação.
O advogado do casal, Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, afirmou que a retratação foi entregue às autoridades policiais e que Admar teria acompanhado Elida. “Foi uma ocorrência feita por ela no calor do desentendimento. Depois do registro, eles conversaram e me ligaram para que a retratação fosse feita. O que interessa é que o assunto será arquivado.”
No início da tarde de desta sexta-feira, o advogado do casal divulgou um comunicado que descreve o ocorrido como um incidente “com exasperação de ambos os lados”. Em entrevista ao jornal Estado de S.Paulo, o ministro Admar atribuiu o conflito aos ciúmes da mulher: “Já estamos aqui juntos. Foi uma crise de ciúmes da minha mulher, que já se retratou formalmente”.
De acordo com Admar, nunca houve uma cena de violência entre o casal. Aos policiais, Elida disse que foi xingada pelo ministro, que ainda teria jogado enxaguante bucal nela.
No TSE
O ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Admar Gonzaga foi uns dos ministros do Corte Eleitoral que votou contra a cassação da chapa Dilma-Temer, vencedora das eleições de 2014.
Na Oportunidade o ministro alegou que faltava provas e descartou o conteúdo das delações dos executivos da Odebrecht e dos marqueteiros João Santana e Mônia Moura.
Durante o julgamento da chapa Dilma/Temer o vice-procurador eleitoral, Nicolao Dino questionou a capacidade do ministro Admar Gonzaga de atuar no julgamento, pedindo o impedimento, alegando que  Gonzaga atuou como advogado da campanha da ex-presidenta Dilma Rousseff antes de ser nomeado para o tribunal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *