Marco Aurélio: ‘combate a noticias falsas não pode trazer retrocesso’

O ministro Marco Aurélio, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que o enfrentamento às notícias falsas que poderão surgir na internet durante a campanha eleitoral de 2018, não deve representar um “retrocesso em termos de liberdade”.
Questionado sobre a iniciativa do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) de criar um grupo de trabalho para monitorar “noticias falsas”, sob o comando do ministro Gilmar Mendes, Marco Aurélio sinalizou discordar da medida.
“Eu vejo inúmeras dificuldades para se coibir o lançamento numa campanha eleitoral, que é algo apaixonado, de inverdades. Isso é muito difícil. E não podemos ter um retrocesso em termos de liberdade e da busca do eleitor do conhecimento do perfil do candidato. Penso que, em pleno século 21, nós devemos elogiar um pouco mais a liberdade”, afirmou o ministro Marco Aurélio.

 



“Não sei se vai haver a iniciativa, não estou no TSE, mas, se lá estivesse, a minha visão seria uma visão aberta quanto a esse fenômeno que poderá ocorrer repetindo-se o que se verificou nos Estados Unidos”, disse.
Marco Aurélio participou na noite desta terça-feira (7) do seminário “As Liberdades na Era Digital e os Limites do Estado”, organizado pelo UniCEUB em parceria com o Instituto Palavra Aberta. As declarações sobre “noticias falsas” foram concedidas após o evento.
O palestrante do seminário, Oscar Vilhena, professor da FGV-SP e colunista da Folha, também alertou para uma eventual censura de notícias verdadeiras ao se tentar coibir as “noticia falsas”.
Sem comentar especificamente a iniciativa do TSE, Vilhena defendeu que informações falsas sejam combatidas com a produção de mais informações confiáveis, e não com intervenção do Estado.
“Nós [indivíduos] vamos ter que amadurecer para conseguir discriminar o que é ‘falsas’ do que não é ‘falsas'”, disse.
Também nesta terça, em outro evento, Gilmar Mendes voltou a comentar sobre a criação de um grupo no TSE para tratar do assunto, afirmando que não pretende estabelecer censura.
“Não se tolera o abuso, especialmente no campo eleitoral. Cada momento tem suas peculiaridades, mas ninguém está pensando em estabelecer censura. O que precisamos é ter provimentos céleres porque essas notícias [falsas] se alastram com força”, declarou.
LIBERDADE DE EXPRESSÃO
Na palestra no UniCEUB, Vilhena disse que o Brasil e o mundo em geral vivem hoje um “momento regressivo” em termos de liberdade de expressão, depois de duas décadas (1990 e 2000) de “grande esperança democrática” diante das novas tecnologias, como a internet.
Vilhena citou argumentos que, para ele, são centrais para defender a liberdade de expressão como um princípio essencial.
Um deles é que, diferentemente da ideia paternalista de que a liberdade de expressão tem ferido a dignidade, a honra e a religiosidade de alguns indivíduos como em exposições artísticas, por exemplo, é fundamental que as pessoas convivam com ideias contrárias às suas para que possam questionar e refletir e, assim, serem capazes de afirmar suas próprias convicções e valores.
“A liberdade de expressão é constitutiva do próprio princípio da dignidade humana”, disse.
Outro argumento, de “natureza instrumental”, segundo ele, é que a liberdade de expressão é essencial para a democracia. “As escolhas só são legítimas quando são tomadas num ambiente em que é possível questionar o que o Estado faz”, em um Estado transparente.
Por fim, Vilhena disse que a liberdade de expressão “surge quase como uma filha do direito à tolerância religiosa”.
Para ele, uma dos maiores avanços civilizatórios foi, provavelmente, a possibilidade de um indivíduo conviver pacificamente com outros que neguem e critiquem a sua fé por terem uma crença diferente, por exemplo.
“Isso que me parece sob ataque especialmente porque olhamos para esse mundo digital com medo”, disse Vilhena.(Conteúdo Folha de S.Paulo)



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

SiteLock