Lula faz apelo para petistas não abandonarem o partido

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez, nesta quinta-feira (10), novo apelo por um acordo para eleição interna do partido. O gesto de Lula encerrou tensa reunião sobre o formato de votação do comando partidário, marcada até por ameaça velada de desfiliação partidária.
Secretário de formação do PT e representante da esquerda do partido na Executiva, Carlos Henrique Árabe lançou uma ameaça velada, afirmando que “haverá consequências” caso não exista um debate sobre o modelo de votação.
Hoje no comando do PT, a corrente CNB (Construindo o Novo Brasil) entendeu a declaração como ameaça de debandada. Com maioria na reunião do partido, a tendência do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ameaça derrotar a esquerda no voto.
A CNB quer que a eleição ocorra em votação aberta nos municípios para montagem do colégio que elegerá o presidente da sigla.
Já a tendência mais à esquerda defende a realização de congressos na primeira e segunda instâncias.
Após intervenção de Lula, presente na reunião, a CNB concordou que a escolha do presidente do PT ocorra em congresso.
Questionado sobre a ocorrência de ameaças, o deputado Reginaldo Lopes (MG) disse que houve “de tudo” na reunião.
O tesoureiro do partido, Marcio Macedo, entendeu o recado e reagiu, dizendo que não temia ameaças e estava disposto a assumir as consequências.
O secretário-geral do partido, Romênio Pereira disse que alguns parlamentares usam o impasse para justificar a saída do PT.
“Sabe a música do Tim Maia: ‘me dê motivo'”, ironizou Romênio.
Líder da corrente O Trabalho, Marcus Sokol lembra sempre ter defendido a votação em congresso. Mas afirmou não aceitar que o debate sirva de pretexto para saída do partido.
Diante do impasse, Lula afirmou que, como não chegavam a um acerto, as tendências deveriam se entender.
Também nesta quinta, intelectuais, artistas, lideranças de movimentos sociais e sindicalistas lançaram, em São Paulo, a campanha “Por um Brasil Justo pra Todos e pra Lula”.
A iniciativa quer dar início a um amplo movimento pelo país e no exterior contra o que considera perseguições ao ex-presidente Lula, réu na Operação Lava Jato, e em defesa da democracia.
No ato, com a presença de Lula, foi apresentado um vídeo com cantores, como Zélia Duncan e Chico Buarque, contra congelamento dos gastos sociais.
Também foi distribuído um panfleto com charges do cartunista Laerte e o título “Por que querem condenar Lula?”.
O documento sai em defesa de Lula faz críticas à Justiça, sem citar o juiz Sergio Moro.
O texto do panfleto diz que “não é certo um juiz deixar as pessoas presas para falarem só o que ele quer ouvir mesmo que seja sem prova”. O documento diz ainda que “não é certo recusar delações só porque não falam de Lula”.
“Se o sujeito acusa Lula, está solto. Se não acusa, continua preso”, diz o texto.
O documento afirma ainda que, “enquanto isso, corruptos comprovados, ladrões de merenda escolar, dos metrôs, dos trens e das privatizações continuam livres e soltos”.
Em linguagem simples, o panfleto lista ações de Lula, incluindo a realização da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *