Lobistas do PMDB presos nos EUA, desembarcam no Brasil

Com prisão decretada pelo juiz Sérgio Moro, os lobistas ligados ao PMDB Jorge Luz e seu filho, Bruno Luz, chegaram ao Brasil, no aeroporto de Brasília, na manhã deste sábado e foram levados para a Superintendência da Polícia Federal no Distrito Federal. Segundo a PF, eles ficarão em Brasília até quinta-feira, quando serão transferidos para Curitiba.
Eles estavam em Miami, onde foram presos pela polícia de imigração dos Estados Unidos. Os lobistas são Pai e filho entraram na lista de procurados pela Interpol, depois que o mandado de prisão foi expedido no Brasil na 38ª fase da Operação Lava Jato, deflagrada na última quinta-feira.
Os lobistas Jorge e Bruno embarcaram na noite de ontem num voo comercial direto de Miami que pousou em Brasília por volta das 7h30. Ao chegarem ao setor de imigração do aeroporto, a Polícia Federal os conduziu a uma viatura, na área interna do terminal, que seguiu para a Superintendência Regional do órgão. Eles não passaram pelo desembarque de passageiros.
A viatura com os presos ficou parada no estacionamento da Superintendência da PF, sem que ninguém descesse. Depois, saiu em direção ao Instituto de Medicina Legal (IML), retornando cerca de meia hora depois.
Os presos usaram tapetes que parecem ser da própria viatura para se esconder dos fotógrafos durante o trajeto. Eles colocaram o objeto nas janelas do veículo e na frente do próprio rosto.
A Polícia Federal garantiu que Jorge e Bruno Luz deixassem o aeroporto de Brasília discretamente, sem passar por nenhuma área de circulação pública.
Jorge aparece na Lava-Jato como um dos mais antigos e importantes operadores do PMDB no esquema de cobrança de propina, com a ajuda do filho. Ele teria atuação na Petrobras desde os anos 1980. Um relatório da Polícia Federal de 2015 já alertava para risco de fuga para o exterior dos dois operadores. Bruno Luz tem dupla cidadania, brasileira e portuguesa.
Segundo as investigações, os lobistas Jorge e Bruno estão envolvidos em pelo menos seis episódios de corrupção e lavagem de dinheiro no esquema da Petrobras e foram citados por ao menos dois delatores da Lava-Jato: Paulo Roberto Costa e Fernando Soares, o Baiano.
Segundo o advogado Gustavo Teixeira, que os defende, os clientes não foram presos “presos nem muito menos algemados” nos Estados Unidos, mas sim abordados pela polícia de imigração. Depois disso, acrescenta Teixeira, decidiram se apresentar espontaneamente às autoridades brasileiras, custeando as próprias passagens e sem restrição de liberdade.
Segundo o procurador da República Diogo Castor de Mattos, integrante da Lava-Jato, agentes políticos do PMDB no Senado “ainda na ativa” foram beneficiários da propina supostamente repassada por Jorge e Bruno Luz.
De acordo com as investigações, os operadores do PMDB usaram contas de offshores no exterior para pagar propina “de forma dissimulada”. Foram identificados pagamentos em contas na Suíça e nas Bahamas.
Pai e filho são investigados por corrupção, lavagem de dinheiro e evasão de divisas. A atuação mais frequente de ambos se dava nas diretorias Internacional da Petrobras, de Serviço e de Abastecimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

SiteLock