Lindbergh Farias e Juiz Moro trocam farpas no Senado

 Líder da minoria no Senado, o senador Lindbergh Farias (PT-RJ) acabou protagonizando o primeiro embate direto com o juiz Sérgio Moro, com réplicas é tréplicas. O petista criticou as ações de Moro no caso da conduções das investigações contra o ex-presidente Lula e na divulgação de áudios de conversas de Lula e a ex-presidente Dilma Rousseff. Agitado e movendo os braços, Lindbergh disse que Moro agiu de forma ilegal ao divulgar as gravações.
“Tem abuso de autoridade no Judiciário também. O caso do presidente Lula, das conduções coercitivas. Ele não iria depor? No caso do Lula, o que fizeram? Um grande espetáculo. O senhor disse que era para garantir a segurança do Lula e o levou para o aeroporto, mas houve briga de grupos lá. E a divulgação das conversas é inaceitável. Para quê divulgar as conversas da primeira-dama (Marisa Letícia), da sua nora, conversas íntimas?” questionou Lindbergh.
Irônico, o petista exemplificou:
– Vossa Excelência gosta muito dos EUA. Mas imagina um juiz do Texas gravar uma conversa do Bill Clinton e divulgar?!
E disse que Moro agiu de forma ilegal ao divulgar a gravação de Lula, que teria sido feita depois da hora do encerramento da operação.
“Foi uma gravação ilegal. Vivemos uma escalada autoritária, atentado ao estado democrático de direito. Uma lei contra abuso de autoridade é uma necessidade, é uma urgência”defendeu.
O petista disse que o PT e organizações se esquerda são perseguidos na Lava-Jato.
“Está na cara que tratam as organizações de esquerda e o PT de forma diferenciada. Rui Barbosa dizia: a pior ditadura é do Judiciário, porque contra ela não há a quem recorrer” afirmou o senador.
Prestando atenção, Moro pediu direito de resposta.
– Fico preocupado. Há essa afirmação de que o projeto não tem nenhuma intenção de frear a Lava-Jato. Mas está se afirmando que cometi abuso e que devo ser punido. Há uma intenção clara que seja utilizado especificamente para criminalizar pessoas da Lava-Jato. Ficou claro no discurso do senador – disse Moro, ressaltando:
– É essa a intenção do projeto ou não é?
O juiz disse que suas decisões foram chanceladas por tribunais, inclusive o Supremo Tribunal Federal (STF).
Lindbergh rebateu, em seguida.
– Só quis dizer que isso não está acima da lei. Vossa Excelência é uma autoridade que não está acima da lei, assim como nós – disse o senador.
Em réplica, Moro garantiu que nunca teve a pretensão de estar acima da lei.
O senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO) tentou reclamar do debate na sessão, mas o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), perdeu a paciência.
– Se essa sessão não é um debate, o que é?
Pouco antes, Renan até defendera Moro.
“Não há como comparar as Mãos Limpas com a Lava-Jato, em favor da Lava-Jato” dissera Renan.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

SiteLock