Justiça nega liberdade para mulher de Sérgio Cabral

No pedido, o advogado Luiz Guilherme Vieira alega que a decisão do magistrado não apontou fato concreto que justificasse a prisão. Alega ainda Adriana não deixou o país, não se escondeu e tampouco influenciou qualquer pessoa investigada. A defesa pediu ainda que ela fique em prisão domiciliar, já que tem filhos de 10 e 14 anos.
Abel Gomes discordou dos argumentos apresentados pela defesa de Adriana e sustentou a necessidade de mantê-la presa. Ela está no presídio Joaquim Ferreira, no Complexo de Gericinó, Zona Oeste do Rio.
Adriana foi denunciada por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa. O Ministério Público Federal entende que ela participou ativamente do esquema de desvio de recursos do governo do Rio.
A mulher do ex-governador do Rio foi presa após investigações apontarem sua suposta “posição central” em organização criminosa que seria chefiada pelo marido. No mesmo dia, a ex-primeira dama, o peemedebista e mais 11 pessoas viraram réus da Operação Calicute.
A Calicute é um desdobramento da Lava Jato que apura desvios de pelo menos R$ 224 milhões de contratos de quatro grandes obras, como a reforma do Maracanã.
A prisão preventiva de Adriana foi determinada pelo juiz Marcelo da Costa Bretas, da 7.ª Vara Federal Criminal do Rio, atendendo a pedido do Ministério Público Federal. A decisão ocorreu 19 dias após Cabral ter sido preso na ocasião, o magistrado negou o pedido de prisão da advogada por falta de indícios suficientes. Mas, após o aprofundamento das investigações, teria sido revelado que Adriana seria uma das principais responsáveis por ocultar recursos recebidos indevidamente por Cabral. Ela teria utilizado seu escritório de advocacia, Ancelmo Advogados, para isso.
Cela. Adriana Anselmo está sozinha numa cela da cadeia pública. Ela está em uma galeria para presas com nível superior. A ala tem nove celas e 18 vagas, mas só há sete mulheres no local. A cela de seis metros quadrados tem um beliche de alvenaria, chuveiro, pia e sanitário no chão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *