Grupo anti-nuclear ganha Prêmio Nobel da Paz 2017

A Campanha Internacional para Abolir Armas Nucleares (ICAN) recebeu o Prêmio Nobel da Paz 2017 em Oslo.
A organização com sede em Genebra, ICAN, foi premiada “por seu trabalho para chamar a atenção para as consequências humanitárias catastróficas de qualquer uso de armas nucleares e para seus esforços inovadores para conseguir uma proibição baseada em tratados sobre tais armas”, Berit Reiss-Andersen, presidente do Comitê do Nobel, anunciou nesta sexta-feira.
“Vivemos em um mundo onde o risco de armas nucleares serem usadas é maior do que foi há muito tempo”, disse ela.
“Alguns estados estão modernizando seu arsenal nuclear, e existe o perigo real de que mais países tentem adquirir armas nucleares, como exemplificado pela Coreia do Norte“.
Reiss-Andersen disse que as armas nucleares continuaram a representar uma ameaça para o mundo, já que nenhum acordo internacional vinculativo foi alcançado até o presente.
Através do trabalho da ICAN, disse ela, a campanha “ajudou a preencher a lacuna legal”.
“Um argumento importante na lógica de proibir armas nucleares é o inaceitável sofrimento humano que as armas nucleares irão causar”.
“As apostas são tão altas agora”
A diretora executiva da ICAN, Beatrice Fihn, disse a repórteres após o anúncio de que a questão da proibição das armas nucleares “foi ignorada por algum tempo”.
“As apostas são tão altas agora”, disse ela.
“O Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares é uma grande conquista e um sinal muito forte para os estados armados nucleares de que o status quo não era aceitável. Precisamos trabalhar muito para que todos os Estados assinem este tratado”.
Em julho, uma conferência da ONU aprovou o Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares.
É o “primeiro instrumento multilateral juridicamente vinculativo para o desarmamento nuclear a ter sido negociado em 20 anos”, afirmou a ONU em comunicado.
O tratado abriu para assinatura durante a Assembléia Geral da ONU no mês passado.
A partir de 20 de setembro, 50 estados assinaram o tratado , que proíbe o uso, desenvolvimento, teste ou armazenamento de armas nucleares em qualquer circunstância. Várias potências nucleares, incluindo os EUA , Reino Unido e França, boicotaram a cerimônia de assinatura.
Vai entrar em vigor 90 dias depois de ter sido ratificado por pelo menos 50 países.
‘Não apenas sobre ICAN’
O editor diplomático da rede televisiva da Al Jazeera, James Bays, informou de Washington, DC, que a escolha do ICAN foi uma surpresa.
“Não é novo que tenha ido a uma organização em vez de um indivíduo, o que aconteceu várias vezes.
“Eu acho que o ICAN agora passa de algo conhecido por ativistas e especialistas em controle de armas para algo conhecido pelo público em geral.
“Claramente, não se trata apenas de um prêmio para a ICAN. Trata-se de toda a campanha para tentar proibir armas nucleares, estimadas em cerca de 15 mil armas nucleares em todo o mundo”, disse Bays.
O comitê ordenou mais de 300 indicações para o prêmio deste ano, que reconhece as realizações e as intenções.
O anúncio do prêmio na capital norueguesa culminou uma semana em que os prêmios do Prêmio Nobel foram nomeados em medicina, física, química e literatura.
O comitê do Nobel não divulga nomes dos que considera para o prêmio, mas disse que 215 indivíduos e 103 organizações foram nomeados para este ano.
Outros que foram designados foram a organização humanitária voluntária síria, os Cascos brancos, o Papa Francis, juntamente com o ministro das Relações Exteriores iraniano, Mohammad Javad Zarif, e a chefe da política externa da UE, Federica Mogherini, por defender o acordo para conter o programa nuclear do Ir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

SiteLock