Calote de R$ 270 milhões faz Furnas abandonar projetos de energia eólica

A estatal Furnas adiantou R$ 270 milhões no início de 2014 para a compra de equipamentos para usinas de energia eólica que nunca foram entregues. Parte do dinheiro foi pago em julho de 2014 a uma empresa que, apenas 12 dias depois de receber, entrou em recuperação judicial.
As informações constam em relatórios das empresas criadas para gerenciar quatro complexos de produção de energia no Rio Grande do Norte e no Ceará, aos quais a Folha teve acesso. Os quatro projetos foram abandonados.
As companhias que Furnas constituiu para administrar as usinas, duas delas em sociedade com a Caixa Econômica Federal, assinaram contratos para comprar turbinas da indústria argentina Impsa, que tem uma fábrica de aerogeradores em Pernambuco.
Os quatro complexos -Punaú, Baleia, Fortim e Famosa I- demandavam investimentos estimados em cerca de R$ 1,5 bilhão e deveriam estar funcionando desde 2015, podendo gerar cerca de 400 MW de energia, cerca de 4% da capacidade instalada de energia eólica do Brasil.
Em fevereiro de 2014, a diretoria de novos negócios de Furnas admitiu adiantar 20% do valor dos equipamentos das usinas para a companhia argentina. No caso de uma delas, o complexo de Baleia (RN), a estatal repassou R$ 7 milhões para a compra das máquinas no dia 24 de julho.
Em 5 de agosto, a Impsa entrou em recuperação judicial e não entregou as turbinas. Também não devolveu o dinheiro. Encomendas para outras quatro usinas feitas junto à Impsa foram canceladas.
Para tentar recuperar o dinheiro adiantado, Furnas acionou o seguro dos quatro projetos, mas só conseguiu recuperar o prejuízo de um deles. Dos outros projetos, ainda não teve os recursos devolvidos.
Esse caso ilustra parte das perdas em investimentos feitos pelas estatais do setor elétrico nas chamadas SPE (Sociedades de Propósito Específico), empresas criadas para gerenciar projetos de construção de novas unidades.
Em fato relevante publicado neste ano, a Eletrobras, controladora de Furnas, reconheceu que “faltaram controles” para esse tipo de investimento em Furnas. De 2012 a 2015, a Eletrobras acumulou prejuízo de R$ 31,1 bilhões.
Furnas informou que, para a compra dos equipamentos da Impsa, fez cotação de preços no mercado e que a indústria argentina tinha grau elevado de qualidade junto a empresas de classificação de risco, além de contratos com outras estatais e empresas que somavam R$ 1,7 bilhão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *