Partidos de esquerda podem seguir o PT em eventual 2.º turno

Os presidentes do PT, PDT, PSB e PCdoB se reuniram na semana passada em Brasília para negociar uma “agenda mínima” com o objetivo de reconstruir o campo político de esquerda. Na próxima terça-feira, 28, eles voltam a se encontrar, desta vez com a presença de dirigentes do PSOL.
Por ora, não há no horizonte a pretensão de lançar uma chapa única ao Palácio do Planalto para a eleição de 2018, até porque PT, PDT e PCdoB já apresentaram pré-candidatos. Mas os dirigentes admitem que o realinhamento pode levar a um entendimento no segundo turno. Além de encontrar pontos de convergência programática, o objetivo da reaproximação é articular alianças nos Estados.



Na reunião de terça-feira, organizada pelas fundações dos quatro partidos, serão discutidas bases para um programa “para o País” que poderá ser usado por qualquer candidato. “Este primeiro seminário vai discutir as bases mínimas para a construção de um programa comum para o País”, afirmou o presidente da Fundação Perseu Abramo (PT), Marcio Pochmann.
O primeiro resultado prático da aproximação foi uma nota conjunta sobre o parlamentarismo divulgada na semana passada que aponta “estímulo” da gestão Michel Temer a uma ação no Supremo Tribunal Federal que pode abrir uma brecha para a adoção desse sistema de governo sem a necessidade de uma consulta popular. Segundo os partidos, a manobra seria um “golpe” que tem como objetivo impedir que o presidente a ser eleito em 2018 assuma de fato o governo.
Origens. Depois de romper com o governo Dilma Rousseff em 2013, apoiar o movimento pelo impeachment da então presidente petista e participar do primeiro escalão da gestão Michel Temer, o PSB voltou a dialogar com o PT e demais forças da esquerda.




A cúpula pessebista reuniu-se recentemente com a senadora Gleisi Hoffmann, presidente do PT, e os deputados Carlos Zarattini, líder do partido na Câmara, e Paulo Teixeira, um dos vice-presidentes petistas.
O encontro selou a reaproximação. Os pessebistas apresentaram um mapa de candidaturas estaduais que consideram prioritárias para as eleições de 2018: Minas Gerais, Pernambuco, São Paulo, Espírito Santo, Paraíba e Distrito Federal.
O PT então sinalizou que pode haver permutas de alianças. “O encontro foi bom para abrir um ambiente de conversação”, disse Zarattini.
O passo seguinte foi reunir os presidentes dos quatro partidos. O encontro ocorreu no apartamento do líder do PDT na Câmara, Weverton Rocha (MA). Segundo participantes, não se falou em candidatura única, mas em buscar convergências de discurso e programa.
“Não acredito em frente única de esquerda no primeiro turno em 2018, mas essa aproximação é importante para produzir uma convergência no segundo turno. Essa eleição de 2018 será parecida com a de 1989. Como estamos vivendo o final de um ciclo, a tendência é de que haja uma pulverização de candidaturas”, disse o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP).
Sobre o PSB, Orlando afirmou que vê um “reposicionamento” do partido no cenário político. “O PSB está em um processo de reaproximação com o campo de esquerda.”




As conversas entre os partidos também visam, segundo o deputado do PCdoB, a ter uma pauta única de um campo político, mesmo sem uma candidatura única. “Isso vai delimitar o campo com as forças conservadoras que tentam se lançar.”
O presidente do PDT, Carlos Lupi, foi na mesma linha. O partido não pretende abandonar a pré-candidatura do ex-ministro Ciro Gomes à Presidência, mas também admite a possibilidade de aliança na segunda etapa. “No segundo turno, sim. No primeiro é impossível.”
Segundo Lupi, neste momento é importante que cada partido respeite o projeto do outro. “A gente tem de conversar pontos em comum respeitando os projetos próprios”, afirmou.
Convergência. Entre os pontos de convergência estão a oposição às reformas trabalhista e da Previdência propostas pelo governo Michel Temer, combate à censura e garantia de direitos civis para minorias.
O PSOL, que quer lançar o líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, como candidato ao Planalto, vai participar da reunião de terça-feira na condição de convidado. “Sempre vamos aceitar convites para dialogar com as demais forças, mas não achamos que sejam possíveis acordos eleitorais”, disse o presidente da Fundação Lauro Campos (PSOL), Juliano Medeiros.(por Pedro Venceslau e Ricardo Galhardo , O Estado de S.Paulo)



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

SiteLock