Empresário lavou dinheiro para Cabral com boliche e curso de inglês

O empresário John O’Donnel reconheceu à Polícia Federal ter emitido notas frias em nome da empresa de Luiz Carlos Bezerra, apontado como operador da propina do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (PMDB).
Ele entregou à PF uma tabela em que descreve a emissão de comprovantes que somam R$ 1 milhão entre maio de 2011 e fevereiro de 2015.
A maior parte das empresas usadas na operação são de franquias do curso de inglês Brasas, administradas à época por O’Donnel.
De acordo com o Ministério Público Federal, Bezerra usou sua empresa, a CSMB Serviços de Informática, para lavar o dinheiro da propina arrecadada junto a empreiteiras contratadas para obras públicas.
Bezerra está preso no Complexo Penitenciário de Bangu e é réu junto com Cabral no processo da Operação Calicute, da Justiça Federal.
Ele é apontado como o contador informal do grupo ligado ao ex-governador, bem como o responsável por distribuir o dinheiro entre os membros da quadrilha e parentes do peemedebista.
O’Donnel afirmou à PF que foi procurado pelo ex-assessor de Cabral em 2011, que relatou “problemas com o fisco devido à sua movimentação financeira”.
“[Bezerra] Relatou que não tinha uma comprovação de renda [] e solicitou a ajuda para que emitisse notas fiscais em seu favor de forma a gerar uma movimentação financeira”, disse o empresário em seu depoimento à PF.
Os dois são amigos desde a adolescência. O empresário disse à polícia que “desconhecia eventual origem desses como ilícitos ou advindos de propina”.
“Achava inclusive que tais valores fossem uma retribuição pelos serviços que Bezerra prestava a Sérgio Cabral”, declarou aos agentes.
O relato aponta que Bezerra era o responsável por informar os valores a serem faturados mensalmente.
Emitida a nota fiscal em nome de CSMB, o pagamento era feito por meio de uma transferência, e o ex-assessor de Sérgio Cabral devolvia o valor em espécie, descontados os tributos.
O’Donnel afirma que seu filho notou irregularidades na emissão das notas após assumir as franquias do curso de inglês, em 2015. O empresário disse à PF que “a interrupção [de emissão das notas] gerou uma discussão familiar”.
“Bezerra pediu para que permanecesse mais algum tempo para poder se estruturar diante da falta de notas fiscais”, disse o empresário.
A saída encontrada foi emiti-las por meio de outra empresa da família, a Stricker Bar Serviços de Entretenimento, que funciona nos boliches do Barra Shopping e Norte Shopping. A prática foi suspensa no ano passado, segundo o depoimento. A mudança gerou contratempos na empresa.
Uma funcionária responsável pela administração financeira da Stricker chegou a questionar Bezerra sobre o serviço que estava sendo prestado para a emissão da nota. Ele em seguida enviou um e-mail em tom indignado para que O’Donnel solucionasse a questão.
“Essa moça não foi informada da situação???? Aposto minhas fichas que não… Toma ‘Ômega 3’, maluco”, diz o e-mail de Bezerra para o empresário.(Conteúdo Folha)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *