Começa o depoimento de Lula ao juiz Moro

O interrogatório do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, feito pelo juiz Sergio Moro, começou pouco depois das 14 horas na Justiça Federal de Curitiba. Lula chegou às 13h48m ao prédio da Justiça Federal em Curitiba. Desceu do carro no meio dos simpatizantes e caminhou por cerca de dois minutos, cumprimentando e acenando. Vestidos de camisas vermelhas, os militantes recepcionaram o ex-presidente aos gritos de “Lula, guerreiro, do povo brasileiro”.
O ex-presidente caminhou até o ponto de bloqueio montado pela Polícia Militar (PM) na rua do fórum, onde subiu no carro novamente para percorrer mais cerca de 100 metros até o prédio da Justiça.
Antes da chegada de Lula, os cerca de 300 militantes que se concentravam no local trocaram alguns xingamentos com moradores de prédios vizinhos, que, vez ou outra, saíam na janela para gritar palavras contra o petista. Os manifestantes respondiam com o coro: “Fora, coxinha”.
1725666 Começa o depoimento de Lula ao juiz Moro
Militantes petistas ligados ao MST, fazem uma espécie de canturião entorno do prédio da Justiça Federal
Em outro ponto do bloqueio montado pela PM, um grupo de cerca de 20 manifestantes, com bonecos do ex-presidente vestido de presidiário e do juiz Sergio Moro, protestavam contra o ex-presidente. Nos semáforos, ambulantes vendiam os bonecos por R$ 20 cada.
Pela manhã, em entrevista coletiva na sede do PT do Paraná para falar sobre o depoimento de Lula nesta tarde, integrantes do partido e de movimentos sociais criticaram a Lava Jato.
Alexandre Padilha, um dos vice-presidentes do PT, criticou o que chamou de “seletividade” da Lava-Jato contra o PT e disse que Lula vai responder no mesmo tom se houver politização por parte de Moro no depoimento.
Padilha disse também que o ex-ministro Antonio Palocci “mentiu” ao acusar o ex-presidente Lula, na semana passada, de ter um pacto com a Odebrehct. O vice-presidente do PT afirmou, porém, que uma eventual expulsão do ex-ministro do partido deve ser discutida pelo diretório municipal de Ribeirão Preto (SP), onde Palocci é filiado.
O depoimento desta quarta refere-se à acusação de que Lula recebeu também propina da Odebrecht. O empresário Marcelo Odebrecht diz ter usado a conta de propina que a empresa mantinha com o PT para adquirir um imóvel destinado a abrigar a sede do Instituto Lula. Além disso, teria repassado valor para pagar uma cobertura vizinha à do ex-presidente. Quando era presidente, Lula ocupou o apartamento vizinho por segurança. Quando deixou o cargo, em 2011, manteve o uso do apartamento, que foi adquirido por Glaucos Costamarques, primo do pecuarista José Carlos Bumlai.
O depoimento de Marcelo Odebrecht, que firmou acordo de delação com a Procuradoria Geral da República, foi confirmado pelo ex-ministro Antonio Palocci.
Palocci confirmou que o imóvel era destinado ao Instituto Lula e que o ex-presidente desistiu de aceitar o prédio depois de uma reunião em que ele questionou o negócio. Teriam participado do encontro Bumlai e o advogado Roberto Teixeira, que intermediou o negócio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *