Raio-X de última geração desvenda segredos de múmia egípcia

Investigadores estão mais perto de conhecer a história da menina de cinco anos que morreu há quase dois mil anos
A múmia foi encontrada em 1911 e é a primeira a ser examinada por este novo sistema que permite análises mais detalhadas dos ossos, tecidos e objetos posicionados junto ao corpo.



A tecnologia de última geração consiste num raio-X de synchrotron (acelerador de partículas) de alta intensidade, que é capaz de produzir uma análise tridimensional extremamente detalhada do corpo e de quaisquer outros objetos escondidos sob as faixas de linho que envolvem a múmia.
Apesar de, um século depois, nada se saber sobre a história desta múmia, os investigadores acreditam que se trata dos restos mortais de uma menina de cinco anos que terá morrido há 1,9 mil anos.




Além do corpo, foi também encontrado um retrato pintado do rosto de uma criança.
A múmia faz parte da coleção da Universidade Northwestern. A Universidade Northwestern é uma universidade privada localizada em Evanston, Illinois, Estados Unidos, considerada como uma das mais prestigiosas e importantes do mundo.
Veja o vídeo realizado pela universidade:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

SiteLock