Civis mortos em ataques da Arábia Saudita no Iêmen

Pelo menos 20 pessoas foram mortas e dezenas mais feridas em uma série de ataques aéreos liderados pela saudação, grupo coalizão de liderado pela Arabia Saudita em um mercado no sudoeste do Iêmen.
Fontes disseram a TV Al Jazeera que ataques de coalizão atingiram Souk al-Shahra, um mercado popular em uma área de Houthi na província de Taiz na terça-feira, a cerca de 200 km a sudoeste da capital, Sanaa.



Pelo menos 13 civis foram mortos e outros 17 feridos, segundo uma fonte, acrescentando que pelo menos 10 rebeldes também estavam entre as mortes.
Outra fonte disse que as partes do corpo foram jogadas a centenas de metros dos locais de explosão; Parentes de algumas das vítimas não conseguiram identificar os restos carbonizados.
Al Masirah, uma rede de TV administrada pelos Houthis , colocou o número de vítimas em mais de 50, acrescentando que ainda poderiam aumentar ainda mais.
Ele publicou fotos em seu site mostrando motocicletas e lojas bombardeadas, e os restos do que alegou foram desmembrados civis.
A coalizão dirigida pela saudação vem realizando incursões aéreas regulares em áreas de Houthi, como parte de uma campanha para restaurar o governo do Iêmen reconhecido pela ONU.
Os ataques de terça-feira vêm quando as forças iemenitas apoiadas pela coalizão estão tentando capturar a aldeia vizinha de al-Haima.
Um residente disse que dezenas de pessoas haviam sido deslocadas pela luta, com dezenas de moradores presos em condições extremas.




Separado por conflito
O Iêmen foi despedaçado por conflitos desde 2014, quando os rebeldes Houthi, aliados de tropas leais ao ex-presidente Ali Abdullah Saleh , capturaram grandes extensões do país, incluindo Sanaa.
A Arábia Saudita lançou uma enorme campanha aérea contra os rebeldes em março de 2015, com o objetivo de restaurar o governo do presidente Abd-Rabbu Mansour Hadi .
Desde então, os Houthis foram deslocados da maior parte do sul, mas continuam no controle de Sanaa e muito do norte.
O reino intensificou seu embargo no Iêmen no mês passado depois que os rebeldes de Houthi dispararam um míssil balístico em direção a Riade.
Tentando cortar o suposto fornecimento de armas aos rebeldes Houthi do Irã , o bloqueio teve um impacto devastador em milhões, empurrando mais de oito milhões para “um passo de fome”.
A ONU diz que mais de 60 mil pessoas foram mortas ou feridas no conflito, que também deslocou mais de três milhões de pessoas.
O país também enfrenta um surto mortal de cólera, uma consequência direta da guerra, que custou cerca de 2.000 vidas e afetou mais de um milhão de pessoas desde abril.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *