Vitória do governo Temer com aprovação da PEC do teto na Câmara

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou, em segundo turno, o texto-base da proposta de emenda à Constituição (PEC) 241, que fixa um teto para os gastos públicos. Mais uma vez, o governo venceu por ampla maioria. O placar foi de 359 votos a favor e 116 contra, com duas abstenções. Depois de votados os destaques, o projeto segue para apreciação no Senado.
A margem da votação em segundo turno não foi maior que a obtida em primeiro turno, quando o placar foi de 366 votos a favor e 111 contra, com duas abstenções. Isso apesar de o presidente Michel Temer ter reforçado a interlocução com a Câmara entre as duas votações para assegurar mais apoio à PEC.
A expectativa do governo é conseguir aprovar a PEC no Congresso até o dia 13 de dezembro. Ela tem que passar por votação em dois turnos no Senado. A emenda é a principal medida econômica do governo Michel Temer. Pelo projeto, as despesas públicas só poderão crescer com base na inflação por um período de 20 anos.
Durante a sessão de votação, os parlamentares se alternaram no microfone para criticar e também defender a proposta. Manifestantes que ocupavam as galerias para protestar contra a limitação de gastos para as áreas de saúde e educação irritaram o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ). Ele chegou a interromper a sessão para que as galerias fossem esvaziadas e chamou os manifestantes de mal-educados. O grupo rebateu com gritos de “fora Temer”.
A base aliada minimizou o fato de a votação da PEC do teto dos gastos ter sido aprovada, em segundo turno, na Câmara dos Deputados com sete votos a menos do que em primeiro turno. Nesta terça-feira, o texto-base da emenda recebeu o sinal verde dos deputados com 359 votos a favor. Já no primeiro turno, o placar chegou a 366.
Segundo o líder do governo na Câmara, André Moura (PSC-SE), as ausências ocorreram porque alguns deputados estão doentes, em viagem oficial ou em campanha para eleições municipais. Entre os parlamentares que votaram pela PEC no primeiro turno e se ausentaram hoje estão: Átila Lins (PSD-AM) e Cláudio Cajado (DEM-BA), ambos em missão no exterior. No grupo dos candidatos a prefeito estão: Duarte Nogueira (PSDB-SP), em Ribeirão Preto, Washington Reis (PMDB-RJ), no Rio de Janeiro. Júnior Marreca (PEN-MA), não é candidato, mas justificou ao líder que tinha que participar da campanha de seu filho no estado. Estariam com problemas de saúde o líder do PSB, Paulo Foletto (ES), Renato Molling (PP-RS) e Adail Carneiro (PP-CE).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *